' width='100%'/>
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

MUNDO


  Fifa apresenta pôster oficial da Copa do Mundo de 2014.

 

A Fifa divulgou nesta quarta-feira, no Rio, o pôster oficial da Copa do Mundo de 2014, último símbolo visual do torneio que ainda faltava ser apresentado. Ele retrata duas pernas disputando uma bola, que juntas acabam formando a parte inferior da geografia do mapa do País, em uma imagem representada sob um fundo predominantemente branco, no qual é exibida a inscrição "2014 Copa do Mundo da Fifa Brasil"
Inicialmente, o pôster seria apresentado na última segunda-feira, em evento de comemorativo da data de 500 dias para a Copa do Mundo de 2014. No entanto, a festividade acabou sendo cancelada em solidariedade às vítimas do incêndio em uma boate de Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, no último domingo.
Nesta quarta, o pôster foi apresentado pelo embaixadores da Copa do Mundo de 2014, Marta, Ronaldo, Bebeto, Carlos Alberto e Amarildo. A única exceção foi Zagallo, que não esteve presente ao evento, mas também foi anunciado pela Fifa, durante a solenidade, para fazer da relação de embaixadores.
"O cartaz é um ótimo exemplo da grande capacidade criativa do Brasil. A proposta ganhadora sem dúvida servirá como um esplêndido cartão de visita para a Copa do Mundo, que começará em 498 dias. Com muita emotividade, o cartaz destaca a importância e o brilho do torneio, assim como o fascínio gerado pelo futebol", afirmou Jérôme Valcke, secretário-geral da Fifa.
O pôster da Copa do Mundo de 2014 foi escolhido por uma comissão julgadora formada por Valcke, pela ministra da Cultura, Marta Suplicy, pelo presidente da CBF e do Comitê Organizador Local (COL), José Maria Marin, pelo artista plástico Romero Britto, e pelos ex-jogadores Ronaldo e Bebeto, integrantes do conselho do COL.
A Fifa explicou que o pôster foi elaborado pela agência de criação brasileira Crama, escolhida entre três concorrentes. "O cartaz oficial é um passo importante para apresentar o Brasil e a Copa do Mundo da tanto no próprio país-sede quanto no exterior. É importante passar a imagem de uma nação que é moderna, inovadora, sustentável, feliz, unida e, é claro, apaixonada pelo futebol", afirmou Ronaldo.
Em comunicado oficial divulgado após o evento, a Fifa afirmou que "a criação retrata a beleza e a diversidade do Brasil por meio de um desenho colorido, vibrante e carregado". Além disso, de acordo com a entidade "o conceito criativo por trás do cartaz - 'Todo um país a serviço do futebol - Brasil e futebol, uma identidade compartilhada' - foi o que inspirou a Crama a pensar no desenho vencedor. Isso fica evidente em toda a peça, principalmente no detalhe das pernas dos jogadores disputando a bola e revelando ao mesmo tempo o mapa do Brasil".
Fonte: Estadão Conteúdos

 

Shell, a mais vergonhosa.

 


Com mais de 41 mil votos, a petroleira que queria explorar o Ártico foi eleita por voto popular como a vencedora do Public Eye Award 2013.

Protesto no Mar Bático em frente ao navio quebra-gelo Nordica da Shell.
Após inúmeras tentativas de exploração de petróleo na frágil região do Ártico e mais de dois milhões e 400 mil pessoasem todo o mundo se pronunciando contra suas investidas, a Shell foi a empresa escolhida este ano para receber o Public Eye Award. Tradicionalmente anunciado no Fórum Econômico Mundial que acontece em Davos, na Suíça, entre os dias 23 e 27 de janeiro, o prêmio será entregue nesta quinta-feira pelo Greenpeace Suíça e pela Declaração de Berna.
A petroleira recebeu nada menos do que 41.800 votos online. Já pelo lado do júri, o banco norte-americano Goldman Sachs foi o vencedor. Segundo os organizadores, as duas empresas escolhidas servem como exemplos de empresas cujos crimes socioambientais mostram para a sociedade o lado negativo do progresso puramente orientado para o lucro.
A indicação da Shell se deu pela empresa estar constantemente envolvida em projetos de produção particularmente controversos, arriscados e quase sempre sujos de óleo. A empresa tem manchado sua repitação de negro quando se coloca à frente da exploração e produção de combustíveis fósseis num dos ecossistemas mais vulneráveis do planeta.
Cada projeto de petróleo no mar Ártico significa novas toneladas de emissões de CO2 para a atmosfera. Reservas de petróleo do Ártico são suficientes para apenas três anos, mas a ganância de grandes corporações como a Shell insistem em tirar até a última gota do solo.
Para isso, ela está colocando em risco um dos últimos paraísos naturais da Terra, colocando em perigo quatro milhões de pessoas que vivem na região, além de ameaçar a fauna. Ainda sem nem começar a trabalhar na perfuração dos poços, a Shell já passou por uma série de acidentes alarmante na região nos últimos meses.
As medidas de segurança da Shell não são confiáveis. Especialistas garantem que uma catástrofe poderia ocorrer a qualquer momento e seria quase impossível controlar devido às condições delicadas do Ártico.
Kumi Naidoo, diretor-executivo do Greenpeace International, lembrou que a Shell já investiu US$ 4,5 bilhões em um plano “sem sentido e altamente arriscado, que só produz problemas”. “O Public Eye Award Public Eye Award mostra que o público está de olho na Shell e que sua teimosia vai continuar a ser objeto de sanções por parte da opinião pública”, frisou.

NYT escolhe Rio como principal destino turístico de 2013


ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, CORRESPONDENTE - Agência Estado

A cidade do Rio de Janeiro foi eleita pelo New York Times como o principal destino turístico de 2013, entre 46 lugares no mundo sugeridos pelo jornal norte-americano em uma matéria publicada em seu site na tarde desta sexta-feira (11).


O Times fala que o Rio vem ressurgindo e está em vias de se tornar um destino turístico mais sofisticado, em meio a um boom do setor de petróleo e dos eventos previstos para os próximos anos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Isso faz com que o Rio deixe de ser conhecido simplesmente pelo seu "Carnaval hedonista". "É a cidade que todo mundo vai estar em 2014", destaca o jornal. Por isso, a sugestão é que se conheça antes, em 2013.

O Times fala ainda da revitalização de algumas áreas do centro da cidade, na zona portuária, do comércio, "uma obsessão carioca" e que atraiu a Apple para abrir sua primeira loja na América do Sul. O jornal lista ainda outros eventos importantes que vão acontecer por lá, como a Copa das Confederações e o encontro de jovens católicos.

Além do Rio, no topo da lista dos 46 destinos estão a cidade de Marseille, na França, que será a capital cultural da Europa em 2013, a Nicarágua, Accra (capital de Gana), Amsterdam e Butão. Nos Estados Unidos, o local mais bem colocado na lista é Houston, no Texas, que vem se transformando em um centro cultural e gastronômico.

               

Após propor plebiscito, Cameron diz não querer 'ver UE pelas costas'.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, disse nesta quinta-feira que não quer "ver a União Europeia pelas costas". Porém, defendeu sua proposta de plebiscito e qualificou como um erro o aprofundamento da união política entre os 27 países do bloco.
As declarações são feitas um dia depois da proposta do chefe de governo para um plebiscito aos britânicos sobre a continuidade na União Europeia, que seria convocado até 2017 se seu partido for maioria após a eleição parlamentar de 2015.
Em discurso no Fórum Econômico Mundial, Cameron defendeu a consulta, apesar da animosidade da maioria das autoridades europeias. "Isso não significa que queremos ver a Europa pelas costas, mas que precisamos consolidar as bases para uma Europa mais flexível e competitiva".
Para ele, o anúncio do plebiscito foi uma forma de alertar a UE sobre a necessidade de mudanças ante a perda de competitividade dos 27 países no mundo. Ele disse que é o momento de um novo acordo sobre a Europa, que funcione para o Reino Unido.
O chefe de governo chamou qualquer tentativa de forçar países a uma união política mais profunda de um erro que o Reino Unido não vai fazer parte. "Países na Europa têm suas próprias histórias, suas tradições, suas instituições, querem sua soberania, sua capacidade para fazer as próprias escolhas".
Apesar da consulta, ele defendeu que se mantenha a cooperação com outros países. "Nós somos um grande jogador europeu em todas as questões em que precisamos atuar --ser mais competitivo, combater o terrorismo, combater a mudança climática-- estamos lá liderando os debates, fazendo as argumentações".
CRÍTICAS
A proposta do plebiscito foi duramente criticada pela oposição a Cameron e por autoridades europeias. O ex-premiê Tony Blair, trabalhista, chamou o anúncio de "ameaça".
"Dizem que é uma grande tática negociadora, mas me lembra um filme de Mel Brooks, 'Blazing Saddles' ['Banzé no Oeste', em português], no qual o agente coloca uma arma na cabeça e diz: 'se não quiser o que eu quero, me dou um tiro'."
A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, defendeu que o Reino Unido continue na União Europeia, mas disse que ainda há tempo para discutir as reclamações e as reformas com as autoridades britânicas.
"Estamos preparados para conversar sobre os desejos britânicos, mas sempre precisamos pensar que há outros países possuem desejos diferentes e devemos determinar um compromisso justo. Nós ainda temos bastante tempo nos próximos meses".
O francês François Hollande também disse preferir a continuidade dos britânicos, mas disse que ser membro da UE exige certas obrigações. A principal citada pelo mandatário é o pacto de solidariedade, que envolve todos os membros do bloco e visa garantir melhores condições aos países mais pobres da região.
O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, disse que o governo britânico está fazendo um jogo perigoso e Londres será a maior prejudicada se mudar a relação com a UE. Para ele, o discurso de Cameron não reflete a realidade europeia, mas as preocupações dos eurocéticos do Partido Conservador.
O único Estado do bloco de 27 países que se mostrou solidário ao projeto foi a República Tcheca, que também estuda a saída da UE. "Entendemos bem as razões da política interna que levaram Cameron a pedir um novo acordo de integração", disse o primeiro-ministro, Peter Necas, que defendeu mais flexibilidade ao grupo.
UOL Noticias.

▲ Ir para Topo